Você está aqui:
Premiação aos melhores trabalhos da mostra competitiva marca encerramento da 16ª Expoepi

Premiação aos melhores trabalhos da mostra competitiva marca encerramento da 16ª Expoepi

A premiação aos trabalhos vencedores das mostras competitivas marcou o encerramento da 16ª Expoepi nesta sexta-feira (6), em Brasília. O evento teve a participação de cerca de 2 mil pessoas, com 1.185 trabalhos inscritos para as mostras competitivas. Destes foram selecionados 84 trabalhos finalistas, dos quais foram premiados os três melhores de cada modalidade. Também receberam menção honrosa os primeiros colocados das sessões de pôsteres nas categorias especialização, mestrado e doutorado.

Confira aqui os resultados da mostra competitiva e da sessão de pôsteres (a ordem de apresentação dos trabalhos em cada página representa a ordem de classificação)

Ao final do evento, o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira, resumiu o que foi a 16ª Expoepi. “Encerramos o evento em uma edição especial em que comemoramos os 16 anos da SVS, a 16ª Conferência Nacional de Saúde e a 16ª Expoepi. Buscamos com todos os participantes um ambiente de integração e o compartilhamento de experiências. É uma oportunidade que a Vigilância em Saúde tem a cada dois anos de conhecer o que os municípios e os estados estão fazendo. Com isso a gente evolui e amplia a capacidade de prevenção e controle das doenças”, afirmou.

Premiados – Vencedora na categoria Vigilância, prevenção e controle das doenças crônicas não transmissíveis, das causas externas e ações de promoção da saúde, a enfermeira Cristiane Ferreira, da secretaria municipal de saúde de Palmeira dos Índios (AL) dedica a conquista com trabalho “Ô de casa: estratégia de reorganização do fluxo de atendimento de hipertensos e diabéticos em uma zona rural de Palmeira dos Índios”, a toda sua equipe.  “É o reconhecimento do trabalho de uma equipe que abraçou uma causa para desenvolver um projeto que teve impacto positivo na saúde da população da comunidade”, disse.

Na categoria Estratégias inovadoras para a prevenção e controle das doenças imunopreveníveis, em primeiro lugar ficou o trabalho “Monitoramento em tempo real de eventos adversos pós-vacinação como ferramenta para a adesão à vacinação no CRIE”. “A tecnologia está trazendo o paciente para os serviços de saúde e cuidamos de um por um. Colocamos o QR Code, ainda em projeto piloto, e já vimos que vem dando certo, desde 2018. O paciente sente confiança, sabe que vai ter alguém por ele”, diz Andrea Matias Losacco, do Instituto de Infectologia Emílio Ribas de São Paulo.

O trabalho “Descentralização do atendimento da pessoa vivendo com HIV na atenção primária de saúde, por meio de um sistema matriciado, em Curitiba” venceu na categoria Enfrentamento das infecções sexualmente transmissíveis. Para a coordenadora de vigilância epidemiológica e do Programa de DST, Aids e Hepatites Virais de Curitiba, Liza Regina Rosso, “o resultado do trabalho, realizado desde 2014, é exitoso, com aumento de 35% no manejo clínico do HIV. E também foi verificado um índice de carga viral reduzida na saúde pública da cidade”.

Para o chefe da Divisão de agravos transmissíveis da Secretaria Municipal de Manaus, Marco Antônio Pereira Rodrigues, vencedor com o projeto “Savan: uma ferramenta para o acompanhamento e correção sistemática de notificações compulsórias”, na categoria Estratégias inovadoras para a ampliação do acesso e da qualidade dos serviços de saúde, a ferramenta apresentada garante a qualidade dos dados do Sistema Informação de Agravos de Notificação (Sinan). “A ideia é trazer coisas que dão certo, que a gente entende que está sendo positiva. Vamos continuar com esse trabalho, iniciado em 2017, sempre desenvolvendo, pois sabemos que é um processo contínuo, acrescentando novas capacidades ao sistema”.

Homenagens – Cada edição presta homenagens a personalidades de destaque que fortalecem o Sistema Único de Saúde (SUS). Na 16ª Expoepi, as homenagens foram a Carla Magda Domingues; Alzira Paiva de Almeida; Enrique José Vazquez; Denise Bonfim Souza; Douglas Hatch; Sônia Brito; Beatriz Dobashi. Os nomes foram escolhidos pela notoriedade do trabalho prestado à saúde pública do Brasil e aos serviços dedicados que reforçam o trabalho de quem atua na área, promovendo a saúde e tornando o SUS cada vez mais forte.

Municípios – A Secretaria de Vigilância em Saúde, premiou, pela primeira vez, “Municípios Destaque em Vigilância em Saúde” as 15 cidades que conseguiram melhorar seus indicadores de saúde, como redução dos casos de sífilis em crianças menores de 1 ano e aumento da cura de casos de tuberculose.  A premiação ocorreu durante abertura da 16ª Expoepi. Os municípios premiados foram Mondaí (SC); Carlos Barbosa (RS); Brusque (SC); Presidente Olegário (MG); Campos do Jordão (SP);       Bragança Paulista (SP) ; Paraíso das Águas (MS);     Nova Mutum (MT); Corumbá (MS); Governador Jorge Teixeira (RO);    São Miguel do Guaporé (RO); Ariquemes (RO); Gurjão (PB); Parambu (CE);   Campina Grande (PB).

Ainda durante a abertura da Expoepi, o ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta entregou para o município de São Paulo a Certificação de Eliminação da Transmissão Vertical de HIV. Com 12,1 milhões de habitantes, São Paulo é a cidade com maior população do mundo a receber tal título.

Cine Saúde – Na 16ª Expoepi, o Cine Saúde contou com a participação de epidemiologistas convidados para debater após cada uma das três sessões de filmes. Em Filme Show, Giovany Araujo de França debateu a obra que retrata a epidemia de cólera em Londres, em 1854; Muito Além do Peso, documentário que ilustra a obesidade em crianças brasileiras, foi debatido por Luciana Sardinha (SVS) e Vivian Gonçalves UnB); Daniela Buosi (SVS) e Débora Noal (FioCruz) encerram as atividades culturais detabendo o documentário Memórias rompidas: um ano depois da lama, que mostra os reflexos do rompimento da barragem da Samarco, em Mariana, ocorrida em 2015.

Lançamentos – Entre os lançamentos desta edição, destaque para o Saúde Brasil publicação que atualiza a Análise de Situação de Saúde do Brasil, uma ampla análise sobre Doenças Imunopreveníveis e Imunização e uma ampla análise sobre Qualidade da Informação em Saúde.

Outro lançamento foi a Plataforma Integrada de Vigilância em Saúde (Plataforma IVIS), ambiente com mais de 140 indicadores epidemiológicos que podem ser visualizados por meio do SVS-CIDADES. Agora o gestor poderá acompanhar o desempenho dos indicadores epidemiológicos por município.

Expoepi em números – A Comissão Organizadora da 16ª Expoepi foi composta de 51 pessoas. Já a Comissão Científica contou com 240 profissionais. Ao todo foram realizados 16 painéis, com 29 palestrantes, duas mesas redondas que contaram com nove especialistas. Também foram realizadas 14 sessões de pôsteres, com 42 trabalhos apresentados no formato comunicações breves e 75 expositores. A área de exposição ainda contou com sete stands.

No restaurante, entre os dias 2 e 6, foram servidas 2.096 refeições, enquanto 500 pessoas utilizaram os serviços de transporte da organização do evento no mesmo período.